DHA Vegetal

Administração
Administração

Uso Oral

Icone princípio ativo controlado
Controlado

Sim

Tem uma receita com o DHA Vegetal? Cote agoraCotar Receita
Indicação

Utilizado para saúde cognitiva, saúde do coração e dos olhos. É possível utilizar o DHA em produtos lácteos, barras de cerais, suplemento alimentar, alimentos dietéticos destinados a fins medicinais específicos, dietas de restrição calórica para perda de peso, bebidas aromatizadas não alcoólicas e sem a presença de carbonatos, à base de água (incluindo bebidas energéticas e bebidas esportivas) e bebidas à base de sumo de frutas.

Posologia

Gestantes ou lactantes: pelo menos 200 mg ao dia; Crianças a partir de 6 anos: 600 mg ao dia; Idosos: 900 mg ao dia; Prevenção e tratamento de ataque cardíaco: 1,0 g ao dia; Redução de triglicérides: de 2,0 a 4,0 g ao dia.

Interações medicamentosas

Não informado.

Não informado.

Não informado.

Não informado.

O DHA é uma fonte vegetariana pura do ômega 3 – ácido docosahexaenóico (DHA). É produzido a partir de microalgas em um processo controlado em vias de fermentação. Durante o único processo de fermentação, as microalgas são cultivadas em grandes quantidades sob condições totalmente controladas e assim, acumulam quantidades significativas de DHA. Após o processo de fermentação, DHA é extraído e refinado em processos muito similares às utilizadas na produção de óleos vegetais convencionais. Devido às suas fontes renováveis, DHA é ambientalmente amigável, livre de alérgenos e livre de contaminantes potenciais que normalmente são encontrados em frutos do mar. O DHA presente no corpo é derivado principalmente da ingestão de peixes e frutos do mar. É bem conhecido, no entanto, que a ingestão de DHA com a típica dieta ocidental está bem abaixo dos valores recomendados. A natureza previu um caminho para produzir DHA a partir do ALA (ácido alfa-linolênico) no corpo humano. Durante este processo, o ALA é convertido enzimaticamente para EPA e após, à DHA. No entanto, tornou-se claro que a ingestão do precursor ALA não pode compensar a baixa ingestão de DHA na dieta. Vários estudos de suplementação humana tem abordado a questão do processo de bioconversão e, foi concluído que a conversão de ALA em EPA é limitada e a conversão para DHA é extremamente baixa. Em adultos, o DHA mantém a função normal do cérebro, e evidências cientificas mostram que níveis reduzidos de DHA causam preocupações para a saúde mental e neurológica. A retina do olho também é muito rica em DHA, o que explica que o DHA desempenha um papel importante na função visual em ambos, desenvolvimento visual em lactentes e função visual durante toda a vida. O aumento da ingestão de ômega-3, aumenta o teor de ômega-3 dos demais segmentos externos. Vários estudos clínicos em crianças e meta-análises sugerem que uma maior acuidade visual na infância está associada com o aumento da ingestão de ácidos graxos de cadeia longa. A diminuição da acuidade visual tem sido consistentemente observada em primatas e roedores submetidos a condições nutricionais durante a gestação que resultaria em reduções significativas nas concentrações de DHA na retina. Além disso, foi observado que as funções da retina amadurecem mais cedo quando a criança é suplementada com DHA.

Site do fornecedor Via Farma - http://viafarmanet.com.br/ Spector AA, Yorek MA. Membrane lipid composition and cellular functions. J Lipid Res 1985;26:1015-35 Innovations in Food Technology. Vegetarian DHA is good for your heart. 2006; p.20. Connor W.E.,Lowensohn R, Hatcher L. Increased docosahexaenoic acid levels in human new-born infants by administration of sardines and fish oil during pregnancy. Lipids 1996;31:S183–7.

Receba as melhores ofertas para sua receita de manipulados!

Envie sua receita!
Ilustração de um mini mapa com marcador