Crisina 99%

Administração
Administração

Uso Oral

Icone princípio ativo controlado
Controlado

Sim

Tem uma receita com o Crisina 99%? Cote agoraCotar Receita
Indicação

Considerada uma “isoflavona anabólica”, pelo seu efeito antiestrógeno, aumenta a produção de testosterona impedindo a conversão em estrogênio. Em estudos controlados descobriu-se que a Crisina é similar em potência e efetividade a um inibidor da aromatase utilizado clinicamente para o tratamento de pacientes com carcinona estrogênio-dependente. Além disso, tem efeito ansiolitico similar ao do Diazepam, sem entretanto causar sedação e relaxamento muscular.

Posologia

Pode ser administrada por via oral em doses entre 1 e 3g/dia ou por via transdérmica, quando é muito efetiva em doses muitos menores; de 100 a 300mg/dia.

Interações medicamentosas

Não informado

Mulheres grávidas, nutrizes, crianças e adolescentes devem evitar o uso de crisina. Mulheres de modo geral devem evitar o uso de Crisina.
A manipulação hormonal pode apresentar consequências não previstas. A suplementação de Crisina deve ser realizada com cautela.
Mulheres com tumores malignos (na mama, útero ou ovário) devem usar a crisina somente em estudos clínicos ou se a crisina for prescrita e monitorada pelos seus médicos.

Não informado

-

É importante contar com uma boa fermácia de manipulação para desenvolver o seu produto. Clique aqui para encontrar a melhor farmácia de manipulação em São Paulo ou em qualquer região do Brasil, pelo melhor preço.

1. Capasso A, Piacente S, Pizza C, Sorrentino L. Flavonoids reduce morphine withdrawal
in vitro. J Pharm Pharmacol. 1998; 50:561-564. 2. 2.Galijatovic A, Otake Y, Walle UK, Walle T. Extensive metabolism of the flavonoid
chrysin by human Caco-2 and Hep G2 cells. Xenobiotica. 1999; 29:1241-1256. 3. Jeong HJ, Shin YG, Kim IH, Pezzuto JM. Inhibition of aromatase activity by flavonoids.
Arch Pharm Res. 1999; 22:309-312. 4. Kellis JT Jr, Vickery LE. Inhibition of human estrogen synthetase (aromatase) by
flavones. Science. 1984; 225:1032-1034. 5. Kuiper GG, Lemmen JG, Carlsson B, et al. Interaction of estrogenic chemicals and
phytoestrogens with estrogen receptor beta. Endocrinology. 1998; 139:4256-4263. 6. Nagao A, Seki M, Kobayashi H. Inhibition of xanthine oxidase by flavonoids. Biosci
Biotechnol Biochem. 1999; 63:1787-1790. 7. Paladini AC, Marder M, Viola H, et al. Flavonoids and the central nervous system: from forgotten factors to potent anxiolytic compounds. J Pharm Pharmacol. 1999; 51:519- 526. 8. Salgueriro JB, Ardenghi P, Dias M, et al. Anxiolytic natural and synthetic flavonoid ligands of the central benzodiazepine receptor have no effect on memory tasks in rats. Pharmacol Biochem Behav. 1997; 58:887-891. 9. Walle UK, Galijatovic A, Walle T. Transport of the flavonoid chrysin and its conjugated metabolites by the human intestinal cell line Caco-2. Biochem Pharmacol. 1999; 58:431-438. 10. Campbell DR, Kurzer MS. Flavinoid inhibition of aromatase enzyme activity in human
preadipocytes. J Steroid Biochem Mol Biol 1993;46:381-388. 11. Wolfman C, Viola H, Paladini A, et al. Possible anxiolytie effects of crisina, a central benzodiazepine receptor ligand isolated from Passiflora coerulea. Pharmacol Biochem Behaul 1944;47:1-4.

Receba as melhores ofertas para sua receita de manipulados!

Envie sua receita!
Ilustração de um mini mapa com marcador