Ciclopirox Olamina

Administração
Administração

Uso na pele

Icone princípio ativo controlado
Controlado

Sim

Tem uma receita com o Ciclopirox Olamina? Cote agoraCotar Receita
Indicação

Ciclopirox Olamina é um antifúngico tópico do grupo das hidroxipiridonas. Estes agentes são considerados bloqueadores da fase G1/S dom processo mitótico de alguns microorganismos, sendo ativos contra leveduras, dermatófitos e fungos filamentosos. O Ciclopirox em específico, age adicionalmente como inibidor do transporte de certos substratos essenciais (aminoácidos por exemplo) para o interior das células fungicas, e interfere na biossíntese de proteínas, RNA e DNA das células fungicas em crescimento. Eficaz contra candidíase genital, ptiríase versicolor e outras micoses cutâneas, Ciclopirox exerce efeito fungicida contra Cândida albicans, Epidermophyton floccosum, Microsporum canis, Tricophyton mantagrophytes e T. rubrum. Além disto, ele inibe o crescimento do Pityrosporum orbiulare (antigamente chamado de Malassezia furfur).

Posologia

Usado sob a forma de olamina, Ciclopirox é o fármaco de primeira escolha no tratamento tópico de candidíase cutânea, Tinea corporis, tinea cruris, tinea pedis e tinea versicolor.
O ativo pode ser incorporado em qualquer tipo de base nas concentrações de 0,1 a 1,0%. O paciente deve friccionar suavemente o produto sobre a região afetada duas vezes ao dia (manhã e noite). O tratamento deve durar duas a quatro semanas ou mais. Produtos industrializados disponibilizam o Ciclopirox Olamina em soluções (10mg/ml) ou cremes (10mg/g).

Interações medicamentosas

Não informado

1. Altmeyer, P.et al. Int J Dermatol, 43 (suppl.1): 09 - 12, 2004. 2. Kokjohn, K. et al. Int J Dermatol, 42 (suppl.1): 11 – 17, 2003. 3. Gupta, A. K. et al. Br. J. Dermatol., 149: 296 – 305, 2003. 4. Chosidow, o et al. Dermatology. 206 (3):233 – 240, 2003. 5. Niewerth, M. et al. Mycoses, 45 (suppl. 1 ): 63 – 68, 2002. 6. Carrilo-Muñoz, A. J. et al. Int. J. Antimic. Ag., 20(5): 375-379, 2002. 7. Korolkovas, A. Dicionário Terapêutico Guanabara, 2002. 8. Goodman&Gilman, As bases Farmac. da Terapêutica, 9aedição, 1996.

Não informado

-

É importante contar com uma boa fermácia de manipulação para desenvolver o seu produto. Clique aqui para encontrar a melhor farmácia de manipulação em São Paulo ou em qualquer região do Brasil, pelo melhor preço.

1. Altmeyer, P.et al. Int J Dermatol, 43 (suppl.1): 09 - 12, 2004. 2. Kokjohn, K. et al. Int J Dermatol, 42 (suppl.1): 11 – 17, 2003. 3. Gupta, A. K. et al. Br. J. Dermatol., 149: 296 – 305, 2003. 4. Chosidow, o et al. Dermatology. 206 (3):233 – 240, 2003. 5. Niewerth, M. et al. Mycoses, 45 (suppl. 1 ): 63 – 68, 2002. 6. Carrilo-Muñoz, A. J. et al. Int. J. Antimic. Ag., 20(5): 375-379, 2002. 7. Korolkovas, A. Dicionário Terapêutico Guanabara, 2002. 8. Goodman&Gilman, As bases Farmac. da Terapêutica, 9aedição, 1996.

Receba as melhores ofertas para sua receita de manipulados!

Envie sua receita!
Ilustração de um mini mapa com marcador