Castanha da índia extrato seco | Manipulaê

Castanha da índia extrato seco

Administração

Administração

Uso Oral

Icone princípio ativo controlado

Controlado

Sim

Tem uma receita com o Castanha da índia extrato seco? Cote agora

Indicação

A Castanha da Índia é indicada como antivaricoso de ação sistêmica, (empregada no tratamento de varizes, microvarizes) antihemorroidário, anti-inflamatório e edema de estase venosa.

Posologia

Uso interno: 250 a 300 mg de extrato seco padronizado contendo 20% de aescina, uma ou duas vezes ao dia. (50 a 120 mg de aescina por dia). Uso tópico: Gel a 2% de aescina, 1 a 2 vezes por dia na área afetada. Pó da planta seca: 400mg ao dia.

Interações medicamentosas

Teoricamente, em razão de seus constituintes, a semente de Castanha da Índia aumenta o risco de sangramentos quando utilizada com ácido acetilsalicílico, varfarina, heparina, clopidogrel e anti-inflamatórios como ibuprofeno ou naproxeno. A escina, o principal componente saponínico da Castanha da Índia, se liga às proteínas plasmáticas podendo afetar a ligação de outras drogas. Em estudos baseados em animais, esta droga poderá intensificar o efeito hipoglicemiante de usuários de medicamentos para diabetes por via oral ou, ainda, insulina. A eficácia de fármacos com atividade antiácida ou antiúlcera poderá ser afetada na presença desta planta que é irritante ao trato gastrintestinal; quando utilizada com sene poderá ocorrer potencialização do efeito laxativo. Não deverá ser administrada com outras drogas nefrotóxicas, como a gentamicina.

-

Espasmo muscular, náusea moderada, vômito e urticária.

Pacientes com deficiência renal, hepática ou com lesões da mucosa digestiva devem evitar o uso. A segurança durante a gestação e a amamentação não foi comprovada. Não deve ser administrado durante a gravidez e a lactação sem a supervisão médica.
Contra indicado para crianças com idade inferior a dez anos. É contra indicado em casos de alergia às plantas pertencentes à família hippocastanaceae. Não usar administração oral prolongada (períodos superior a seis meses).
Não deve ser utilizado em casos de distúrbios hemorrágicos conhecidos. Não utilizar formas injetáveis desta planta que contenham saponinas devido à probabilidade de efeitos hemolíticos.

Conte com uma boa farmácia de manipulação para desenvolver o seu produto. Assim, você vai aproveitar melhor os resultados.

1. APARECIDA NICOLETTI, M. et al. Principais interações no uso de medicamentos
fitoterápicos. Infarma, v.19, no1/2, 2007.
2. Fitoterapia Magistral. ANFARMAG, 2005.
Guia Prático da Farmácia Magistral. 2a ed., 2002.
3- CARVALHO, ANA C. B., et al. Situação do registro de medicamentos fitoterápicos no
Brasil. Revista Brasileira de Farmacognosia. 314-319, Abr./Jun. 2008.
4- KALLUF LUCIANA, Fitoterapia Funcional- Dos Princípios Ativos à Prescrição de
Fitoterápicos. Coleção Nutrição Clínica Funcional. VP Editora 1°ed,2008.

Receba as melhores ofertas para sua receita de manipulados!

Envie sua receita!
Ilustração de um mini mapa com marcador