Entenda a diferença entre doença celíaca, intolerância ao glúten e alergia ao glúten.

A doença celíaca tem como característica ser uma condição autoimune, onde há a ocorrência de inflamação no intestino delgado com a presença do glúten na dieta.

Entenda a diferença entre doença celíaca, intolerância ao glúten e alergia ao glúten.

Doenças envolvendo o glúten podem ser de origem genética e afeta o intestino delgado causando redução das vilosidades intestinais alterando a absorção de nutrientes.

Essas reações ocorrem devido a ingestão do glúten, uma proteína que se encontra em alguns alimentos como o trigo, centeio e cevada. Está presente em preparações como macarrão, pizza, torta, bolo, bolacha e outros. No trigo está presente duas proteínas a gliadina e a glutenina e quando há adição de água e ocorre a mistura, forma pontes entre si dando origem ao glúten que confere uma massa resistente e viscoelástica tornando especial no preparo dos pães e bolos. Após a ingestão do glúten presente nesses alimentos por pessoas com doença celíaca ocorre uma resposta imune anormal levando ao desenvolvimento de sintomas gastrointestinais. Uma estratégia eficaz para essa doença baseia-se na exclusão do glúten através da adesão a uma dieta especifica isenta dessa proteína. Dentre os sintomas presentes nessa condição estão a diarreia, dores abdominais, fezes com fortes odores, perda de peso, inchaço na barriga, falta de apetite, fadiga dentre outros sintomas individuais.  Com a presença desses sintomas é necessário buscar auxílio médico para que possa realizar exames e identificar a presença da doença. Normalmente o diagnóstico é realizado por um gastroenterologista que irá avaliar o histórico familiar, sintomas dentre outras análises. Após essa avaliação o médico irá solicitar exames específicos como o de sangue, fezes, urina e biopsia para diagnosticar a presença da doença celíaca.

O diagnóstico é muito importante devido as deficiências nutricionais que essa doença pode causar quando não se faz o tratamento adequadamente. Dentre os problemas observados são os prejuízos de absorção de vitaminas, minerais, água dentre outros. Quando a mucosa do intestino está prejudicada ocorre a interferência no modo de absorção o que acarreta em deficiências nutricionais. As consequências provocadas pela falta de algumas vitaminas e minerais no organismo são fadiga, falta de energia, artrite, alterações no ciclo menstrual, lesões na língua, ossos com fragilidade dentre outras consequências individuais.

A doença celíaca segue um tratamento alimentar onde se realiza a exclusão de alimentos fontes de glúten como por exemplo macarrão, pães feitos com farinha de trigo, bolos, tortas, salgados e outros que tem em sua composição o trigo, centeio e cevada. É muito importante orientar as pessoas com a doença celíaca sobre as escolhas alimentares e preparo de alimentos com substituições de farinhas. Atualmente há muitas marcas de pães sem glúten e padarias se especializando em oferecer produtos sem glúten.

Apesar de algumas pessoas confundirem a doença celíaca com alergia ao glúten elas são diferentes. A alergia ao glúten pode provocar uma serie de reações que podem ser mediadas IgE e que podem ocorrer pela ingestão de alimentos como o glúten. Nesses casos se faz necessário a exclusão das fontes alimentares com a presença do glúten e normalmente as reações que se manifestam são na pele e muitas vezes respiratórias havendo a necessidade de um diagnóstico médico para identificar. Ler o rótulo dos alimentos é uma estratégia fundamental para evitar as alergias relacionadas ao consumo de alimentos que contenha glúten em sua composição. Outros sintomas também podem ser sentidos por algumas pessoas que apresentam intolerância ao glúten que seguem com desconforto abdominal e inchaço em algumas pessoas após consumir alimentos contendo o glúten. O trigo contém muitas proteínas e carboidratos e por esse motivo para pessoas que tem um consumo mais elevado desse produto pode apresentar alguma intolerância que pode não ser exatamente relacionada somente ao glúten mas sim de outras proteínas presente em alimentos preparados com o trigo. Atualmente há muitas alternativas de receitas com misturas de farinhas isentas de glúten onde há preparos saborosos e nutritivos.

É muito importante um acompanhamento em conjunto com uma equipe multidisciplinar como o médico, nutricionista, psicólogos e outros. Uma equipe em conjunto somará conhecimentos e esforços para diversificar o acompanhamento de forma mais eficaz. O nutricionista em conjunto com o médico irá corrigir as deficiências nutricionais e ofertar receitas e dar dicas de alimentos com as melhores substituições e formas de preparo para que a adaptação seja feita de forma eficaz e adequada as necessidades individuais. Após o diagnóstico médico as metas irão ser concretizadas e o melhor será oferecido em termos de restabelecimento da saúde, suporte nutricional para a correção das deficiências nutricionais o que pode ser utilizado a formulação de alguns suplementos com finalidade de recuperação da saúde.

Sintomas da doença celíaca

- Dores abdominais

- Náuseas

- Perda de peso

-Gases

-Diarréias

-Anemia

-Problemas de crescimento em crianças

-Alteração de humor

-Dores nas articulações

Quais complicações podem ocorrer quando não se faz o tratamento da doença celíaca?

O tratamento da doença celíaca baseia-se na exclusão de alimentos que contém glúten, quando não se segue essa alimentação de modo adequado pode ocorrer algumas complicações. Dentre as complicações pode-se citar.

-Osteoporose

-Problemas neurológicos

-Câncer intestinal

-Desnutrição

Mais artigos

Efeitos dos probióticos para imunidade

Para manter a imunidade é importante ter a junção de uma alimentação e com a ingestão de certos probióticos que auxiliaram no processo.

Camilla Moraes

Dramin: para que serve e como usar

O Dramin pode ser muito útil contra tonturas e labirintite, entenda qual a base para construção desse medicamento e se vale a pena o manipular.

Camilla Moraes

Toragesic: para que serve e seus benefícios

O Toragesic é um ativo usado como anti-inflamatório, que auxilia no inchaço da lesão. Evitando assim, um agravamento nas lesões causadas.

Camilla Moraes